Teste: LG 55SJ85 LED TV

2017 é um ano excitante para o mercado das televisões. Nunca este segmento esteve tão acelerado, se estivemos anos estagnados na tecnologia de televisões, os últimos anos tem mostrado que a corrida para a melhor tecnologia e a melhor televisão está mais viva que nunca. Senão vejamos: Foi em 2012 que comecaram a aparecer as primeiras TV 4K de consumo público. Desde ai tem sido uma explosão de tecnologias e inovações ano após ano. Surge a tecnologia Organic Light Emitting Diode (OLED); aparecem as normas High Dynamic Range (HDR); as LED TV recebem os filtros Quantum Dot que aumentam o spectrum de cores e este ano começaram os testes de emissões a 120 frames por segundo (High Frame Rate).

Os maiores beneficiados desta evolução são os consumidores que vêem ao seu alcance tecnologia que há uns anos atrás somente poderiam imaginar. As televisões estão melhores que nunca. A qualidade de imagem de uma TV de gama de entrada é hoje melhor que a de uma de topo de gama de há 2 anos atrás. As cores são mais naturais, tem mais brilho e melhores contrastes . É uma boa altura para os apreciadores de desporto e cinema a partir do sofá de casa.

A LG enviou-nos gentilmente um exemplar da linha de 2017, nomeadamente a LG 55″ SJ85. Esta televisão é o modelo logo abaixo do topo de gama da linha Super UHD LED TV (SJ95), mas basicamente partilha o mesmo hardware, havendo apenas algumas diferenças a nível estético. A série Super UHD SJ80, SJ85 e SJ95 utilizam os novos paíneis de IPS de 10bits com os filtros Nano Cell (o equivalente aos Quantum Dot) que aumentam o leque de côr e melhoram a qualidade de imagem a nível de contrastes.

Primeiras impressões – Como já vem sendo habitual em alguns modelos de topo da LG, a traseira é completamente branca, o que pessoalmente gosto, mas também já ouvi opiniões contrárias. Seja como for na generalidade das situações as televisões são encostadas à parede ou em cantos e a cor da traseira será algo que muito raramente será discutido. 

Esta LG tem um design muito actual e elegante. Com um bezel de apenas 0,9cm toda a frente da televisão é ecrã o que contribui para um factor de beleza e espanto. A base em forma de meia lua em alumínio anodizado também contribui para a excelência do conjunto. Resumindo a SJ85 é uma televisão fantástica em termos de design.  

Uma vez ligada constantamos logo que é uma TV com uma imagem muito brilhante, fruto das necessidades das normas HDR. As televisões da LG de 2017 vem  já com a versão 3.5 do WebOS que continua a ser um dos melhores sistemas operativos existentes para televisões. Este ano, o SOC (System On a Chip) vem com um processador mais rápido e isso é notório quando estamos a utilizar os menús da televisão. Comparativamente com uma TV LG de 2015 com o WebOs 2.0, a diferença de velocidade nos menús é enorme. 

O comando “Magic Remote” continua a ser muito intuitivo e funcional. De referir que estas últimas gerações de televisões suportam rato e teclado, o que poderá ser útil quando estamos a utilizar o browser ou em aplicações que utilizem muita introdução de texto.

O ecrã absorve particularmente bem os reflexos de luz, o que faz com que a sua utilização em salas muito iluminadas não seja problemática. Este é um ecrã plano, tal como todos os modelos de 2017 da LG. A moda dos ecrã curvos parece estar a desvanecer e apenas a Samsung continua a apostar nas televisões curvas. Quase todos os outros fabricantes deixaram de ter modelos curvos. O suporte 3D também foi descontinuado para toda a linha da LG de 2017.

Conectividade – A SJ85 conta com 4 HDMI sendo o HDMI2 ARC (Aúdio Return Channel), 3 USB sendo  um deles USB 3.0, entrada óptica, porta de ligação ethernet e entrada dos cabos coaxiais. o Wifi já suporta a norma AC. Atenção que se a TV for colocada na parede todas as entradas viradas para a traseira ficarão condicionadas a nível de acesso.

Qualidade de construção – A qualidade de construção da LG SJ85 é muito boa. A parte traseira mesmo sendo plástico, aparenta ser premium, com óptimos acabamentos e uma textura de grande qualidade. A base em formato meia lua tem um aspecto fantástico, não sendo no entanto a base mais estável que já vimos.

Software – Como já referimos esta televisão vem com o WebOs 3.5, sendo uma evolução de um sistema que já ganhou imensos prémios e continua a ser dos melhores sistemas de menús de TVs do mercado.

Qualidade de imagem – Aqui não há dúvida. Esta LG consegue arrancar uns tantos “Uau’s”, principalmente com conteúdo nativo em 4K. Ainda mais se este for HDR. Imediatamente disparámos o Netflix e começamos a ver algumas das séries em 4K. As cores, a definição e o brilho saltam logo à vista. Ver contéudo 4K, mesmo a 2 palmos de distância do ecrã é uma experiência que tem de ser vista pessoalmente. Em contéudo standard, ficámos agradavelmente surpreendidos com o upscale e tratamento de imagem pois, excepto em vídeos de muito pouca qualidade, a imagem é muito boa. Todo o conteúdo HD de 720p e principalmente 1080p, a uma certa distância consegue provocar dúvidas se não se trataria de conteúdos 4K. Esta televisão provou também ser excelente para desportos, devido ao motion flow que consegue suavizar as transições das imagens em movimentos rápidos. e ao facto de conseguir um excelente brilho (não tivemos oportunidade de medir, mas por comparação cremos que andará muito perto dos 1000 nits). Existe mesmo um modo Sport que adequa as definições da televisão para um melhor resultado em cenas de movimentos rápidos. Este paínel utiliza o novo filtro Nano Cells que segundo a LG, melhora a reprodução de cores (para mais de 1 bilião) e consegue melhorias visíveis a nível de contrastes. A LG como de costume recorreu a painéis IPS, que tem como vantagens os ângulos de visão, no entanto por norma não tem pretos tão escuros como os painéis VA. No entanto a LG melhorou este ponto relativamente aos modelos do ano passado, e mesmo com o Local Dimming desligado é perceptível ver as melhorias nas zonas escuras.

Como qualquer TV Edge Lit, existe algum clouding (manchas de luz em redor de objectos branco com fundo preto), mas isso é mais uma limitação da tecnologia do que deste modelo específico. Como esta televisão suporta Local Dimming (consegue desligar zonas de led para criar pretos perfeitos), as barras nos filmes ficam pretas e não provocam distracção como acontece em algumas televisões, onde é visível manchas de luz nessas barras pretas.

Resumindo a imagem é fantástica e ninguém ficará desiludido com a sua performance, principalmente em conteúdo HDR. De referir que as televisões LG deste ano, suportam todos os formatos existentes de HDR. A última foto é uma representação da uniformidade de pretos com uma imagem com 95% de preto expandida. A uniformidade é excelente como se pode observar.

 Qualidade sonora – Como qualquer televisão, o som emitido devido às limitações de espaço é aceitável (leia-se bom para alguém que não seja adepto de sistemas Home Theatre). O sistema de som desta televisão é desenvolvido pela Harman Kardon, e é genuinamente dos melhores sons que ouvimos últimamente numa televisão. Muita definição e mesmo no volume máximo consegue manter a postura e sem distorção encher com qualidade uma sala. Volto a referir que nenhum amante de cinema que queira um som bombástico vai ficar satisfeito com o som desta ou de qualquer outra televisão no mercado 🙂

Veredicto – A nova linha LED TV da LG mostra melhorias significativas relativamente às versões de 2016. Sendo que este paínel utiliza os novos filtos Nano Cell, o aumento de qualidade é notório, tanto em profundidade de cor, como em brilho e na melhoria dos contrastes. Não é um OLED, mas os pretos são suficientemente bons, o que adicionado ao brilho que produz, consegue uma qualidade de imagem mesmo muito boa. Podemos concluir que a SJ85 é uma televisão que cumpre com os requisitos esperados de uma TV para 2017, proporcionando uma imagem incrível em quase todas as condições, principalmente com conteúdos 4K/HDR. O comando Magic Remote é muito intuitivo de utilizar e com a nova actualização ao processador da televisão, os menús estão mais rápidos que nunca. O preço aconselhado de 1799€ é o ponto onde provavelmente haverá maior concorrência, curiosamente da própria LG, pois por estes valores já se consegue encontrar a LG 55B6V OLED do ano passado. No entanto este modelo consegue muito mais brilho que qualquer OLED o que para ambientes com muita luz será mais vantajoso. No entanto como qualquer material electrónico é de esperar que o preço desça nos próximos tempos. 

Qualidade de construção – 9

Qualidade em HDR– 10

Qualidade em Filmes e Séries – 9

Qualidade em Desporto – 8

Utilização como monitor PC – 8

Qualidade Sonora – 7

Preço – 7

Classificação: 8.0/10

Hugo Marques

Autor: Hugo Marques

Fundador e Editor do Motores & Tecnologia
Enviar E-Mail para: Hugo Marques

%d bloggers like this:

Ao continuar a navegar em mtech.com.pt, aceita a utilização de cookies. mais informação

As definições de cookies neste website estão em "permitir cookies" de modo a propiciar a melhor experiência de navegação possível, Se continuar a navegar neste website sem alterar as definições dos cookies, ou se clicar em Aceitar estará a consentir a utilização de cookies.

Fechar